HOME / Notícia / Mecânica dos Solos convida Roberto Menescal no Sesc

Mecânica dos Solos convida Roberto Menescal no Sesc

11/02/2016
Araraquara / SP
Jonas Bezerra
Foto: Divulgação

Show

Mecânica dos Solos convida Roberto Menescal

A banda formada por Adriana Gennari (vocal), Zé Henrique Martiniano (guitarra), Walter Jr. (piano), Otávio Gali (contrabaixo acústico), Marcos Froco (bateria) e Mario Rodrigues convida o músico Roberto Menescal e apresenta músicas brasileiras, dando um toque original aos standards da Bossa Nova, criando novos arranjos para a música de Tom Jobim, Vinícius de Moraes e Baden Powell. 13/2, sábado, às 20h. No Teatro. Recomendação etária: 12 anos. R$ 6,00 (Credencial Plena), R$ 10,00 (Aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante), R$ 20,00 (Inteira).

Sobre Mecânica dos Solos

Por meio de composições próprias e releituras de grandes compositores a banda elabora um trabalho misturando a essência da Música Brasileira e elementos do Jazz.

Fundada em 1999, a Mecânica dos Solos já gravou 3 CDs (Gravadora Albatroz), “Arqueólogo das Estrelas”, “Vida Inteligente” e “LOMO Jazz”, com participações especiais de Leila Pinheiro, Roberto Menescal, Filó Machado, Marcelo Mariano, entre outros, trazem composições de Zé Henrique Martiniano (guitarrista da banda) em parceria com Nelson Wellington, além de releituras de Eumir Deodato, Roberto Menescal e Chico Buarque.

Apresentam-se em unidades do Sesc, Sesi, Circuito Cultural Banco do Brasil, centros culturais e bares, em projetos diversos.

Sobre Roberto Menescal - Nasceu em 1937- Vitória (ES), é músico, compositor e arranjador. Aos 18 anos, estreou na música profissionalmente acompanhando artistas como Silvinha Telles, Maysa, Elis Regina e outros. Em 1958, estourou com uma brilhante carreira de compositor criando ao lado de nomes como Carlos Lyra, Tom Jobim e Ronaldo Bôscoli, a Bossa Nova.

A partir daí, a “batida diferente” do seu violão afinado tornou-se mundialmente conhecida. Autor de canções como “O Barquinho”, “Você”, “Nós e o Mar”, “Bye, bye Brasil”, “Telefone” e outros clássicos.

Em mais de 50 anos gravou com importantes nomes como Paul Winter, Toots Thielemans e Herbie Mann, e orquestrou discos de inúmeros artistas, como Maysa, Silvinha Telles, Lúcio Alves, Caetano Veloso, João Bosco e Alcione. Desenvolveu trabalhos como produtor de discos com Elis Regina, com quem trabalhou também como músico e arranjador, Leila Pinheiro, Emílio Santiago, Nara Leão, Joana, Ivan Lins, Oswaldo Montenegro e outros artistas.

Dentre os trabalhos desenvolvidos como diretor musical e arranjador estão em destaques os projetos “Diz que fui por ai” e “Nara uma senhora opinião”, ambos em homenagem aos 10 anos de morte de Nara Leão (1999), “Aquele abraço Rio” (2005), “Bossa in Concert” (2006), de Solange Kafuri; “Bossa Nova 50 anos”, apresentado na Praia de Ipanema (2008); “A Bossa do Samba”, ao lado da cantora Tereza; “Nas entrelinhas da MPB”, concepção de Giselle Kfuri, que recebeu no palco importantes nomes da MPB que tiveram e têm ligação profissional e afetiva com Oswaldo Montenegro, Wanda Sá, Alcione, Emilio Santiago, grupo BeBossa, Fernanda Takai e Erasmo Carlos.

Na TV participou de programas como “Letras Brasileiras”, no Canal Brasil, ao lado de Oswaldo Montenegro, e em 2013 estreia com a cantora Verônica Sabino a nova série musical, “RIO+BOSSA”, produzida pelo Canal Brasil que faz uso da música para falar do Rio de Janeiro.

Maria Butcher

Aos 20 anos de carreira e com apresentações em países como Inglaterra, Irlanda, China e Japão, Maria ajudou a difundir a música brasileira no exterior. No show "Musicando o Brasil - A história do Brasil cantada em música" traz a essência musical do Brasil a partir do século XX, através de importantes compositores e formadores de gêneros, como Chiquinha Gonzaga, Pixinguinha e Catulo da Paixão Cearense. 12/2, sexta, às 20h. No Garimpo. Grátis. Recomendação etária: livre.

Samba de Roda Nega Duda

Nascida em São Francisco do Conde, no Recôncavo Baiano, Nega Duda desde pequena teve contato com as diversas manifestações tradicionais da região, em especial com o Samba de Roda. Convidada por um produtor musical francês foi escolhida para representar o Brasil e o Samba de Roda no festival Printemps des Comédiens (Primavera dos Artistas), realizado em Montpellier, na França. Quando se fixou em São Paulo, Nega passou a ser cantora e compositora oficial do grupo "Ilú Obá de Min", no qual permanece até hoje. 14/2, domingo, às 16h. No Garimpo. Grátis. Recomendação etária: livre.

Galeria de Fotos

Comentário(s) - 0

Seja o primeiro a comentar.