HOME / Notícia / Quarteto Preto, a nova cara do samba araraquarense

Quarteto Preto, a nova cara do samba araraquarense

28/12/2015
Araraquara / SP
Jonas Bezerra
Foto: Jonas Bezerra

O Grupo Quarteto Preto foi criado em junho de 2015 por quatros amigos e músicos – Junior Barros, Marcinho, Saimon Jonathan e Rick Fidelis – que nunca tinham trabalhado juntos. E, numa reunião informal, surgiu a ideia de se juntarem para fazer o que mais gostam: música. A ideia foi mais adiante ainda: reverenciar os grandes mestres da música popular brasileira, em especial, do samba brasileiro, como Cartola, Noel Rosa, João Nogueira, Fundo de Quintal, Zeca Pagodinho, Almir Guineto, Luiz Carlos da Vila entre outros.

Assim surgiu o Quarteto Preto formado por grandes músicos que reforça ainda mais o nome de Araraquara no cenário nacional do samba. Além de grandes grupos musicais que marcaram as duas últimas décadas, a cidade tem ainda grandes nomes que contribuíram para manter o samba em evidência na cidade, entre eles os de Sabaúna, Teroca e Carrapicho.

Assim, o Quarteto Preto pede passagem a apresenta um samba de primeira, um repertório que traz o samba raiz com a essência musical do interior paulista. Eis aí a nova cara do samba araraquarense.

O Grupo

Júnior Barros, o mais experiente, iniciou sua carreira em 1987, no Grupo Bagaço da Laranja. Fez parte dos grupos: Art Samba, Só Pagode que na sequencia virou Magnatas do Pagode; em 1999 fez parte do grupo Cascabum, Conexão Samba e Mania de Samba – na qual teve a oportunidade de acompanhar alguns interpretes como Wilson das Neves, Osvaldinho da Cuíca, Noca da Portela entre outros.

Marcinho, violonista, cantor e compositor, estudou na Escola Livre de Música com o professor Fabiano Marchesini durante 6 anos. Fez parte dos Grupos: Art Samba, Geniais do Pagode, Sapeca Iaiá e Conexão Samba.

Saimon Jonathan, percussionista estudou na Escola Livre de Música com o professor Andreze Maria durante 5 anos. Fez parte dos grupos: SP Brasil, Nova Época, Samba Teen, João Lucas e Rafael, Os Canhotos, GAF I MEIA onde teve a oportunidade de tocar com vários músicos consagrados.

Rick Fidelis, percussionista professor na Escola Livre de Música. Fez parte dos grupos: Banda Marcial (Cristo Redentor), Emoções, Swing da Cor, Doce Paixão, Colírio nos Olhos, Turma do Samba, Mania de Samba onde teve a oportunidade de acompanhar vários interpretes como: Monarco da Portela, Silvério Pontes e Zé da Velha, Ítalo Bezerra e Tantinho da Mangueira.

Galeria de Fotos

Comentário(s) - 0

Seja o primeiro a comentar.